TERRITÓRIOS

20 de julho às 11h
Entender o processo urbanizatório das cidades implica em, antes, compreender quais foram os elementos modeladores das pequenas comunidades das regiões. E para isso, o reconhecimento das etnias primitivas que ali habitavam, bem como das etnias imigratórias, então distribuídas posteriormente nessas regiões, revela-nos que a preciosidade da correspondência entre o presente e o passado é fator determinante para interpretarmos a cultura das diferentes áreas. Sob estas considerações, reflexões antropológicas serão abordadas.
Mauro Leno

Mauro Leno (Antropologia)

Cientista Social e Mestre em Antropologia social pela Universidade Federal do Paraná - UFPR. Indigenista Especializado da Fundação Nacional do Índio – FUNAI; atualmente é chefe da Coordenação Técnica Local de Curitiba/PR. Exerce suas atividades junto às populações indígenas do Sul do país, especialmente entre os Kaingang, terceira maior etnia do país.
Eumar Köhler

Eumar Köhler (Antropologia)

Eumar André Köhler, Graduado em Educação Física pela Universidade Federal do Paraná (2007), especializou-se no curso de Pós-Graduação em História Cultural pela Universidade Tuiuti do Paraná (2010), e concluiu o curso de Mestrado em Antropologia Social pela Universidade Federal do Paraná no ano de 2014. Apresentou pesquisas voltadas para a temática Dança, Etnicidade e Folclore, além de temas relacionados à Educação Física escolar. Foi integrante do Grupo Folclórico Polonês do Paraná – Wisła, entre os anos 2000 a 2008. Foi bailarino da Cia Dança Masculina Jair Moraes de 2005 a 2010. Tem o Registro de iluminador (DRT 28858/PR) e técnico de iluminação (DRT 19060/PR) pelo Sated-PR. Atualmente, está vinculado à Secretaria Municipal de Educação da cidade de Curitiba, onde atua como professor, nível de Docência II desde o ano de 2010, além de integrar, desde 2015, o Projeto da Educação Física do PIBID/UFPR.
Elison e Aristeu

Mediação com os Curadores: Elisson Silva (Filósofo e Produtor Cultural) e Aristeu Araújo (Cineasta)

Elisson Silva, Mestre em Filosofia pela Universidade Federal do Paraná; Graduado em Filosofia (UFPR) e Administração de Empresas (Universidade Positivo). Desenvolve projetos para diversos segmentos culturais. Foi Curador e Produtor de vários projetos em diferentes linguagens artísticas, sobretudo na Literatura e projetos focados em subjetividade e reflexão. “Viageiro curioso”, pesquisa culturas e costumes de diferentes etnias in loco. Atualmente presta serviços de elaboração e coordenação de projetos para a Unicultura – Universidade Livre da Cultura – Organização Não Governamental que realiza projetos culturais e sociais voltados ao desenvolvimento humano.

Aristeu Araújo é graduado em Cinema pela Universidade Federal Fluminense (UFF/2008) e em Jornalismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN/2002). É, ainda, pós-graduado pelo SENAC PR em Artes Visuais. Trabalha como diretor, roteirista e montador de vídeos e filmes. Atualmente se dedica à roteirização do seu primeiro longa-metragem, o filme O que Há de Mais Sagrado. O seu filme Por que Corro?, foi premiado como Melhor Filme em Tomada Única e Melhor Montagem no 7º Festival Internacional de Cinema de Super 8 de Curitiba. Com Todo Amor de que Disponho foi exibido em diversos festivais no Brasil e no exterior, recebendo Menção Honrosa no Tlanchana Fest (Cidade do México). Recentemente finalizou o curta Quando as Coisas se Desmancham. É sócio da produtora Haver Filmes, onde realiza seus projetos pessoais e curadorias de mostras, como a Ser Tão Pop, que aconteceu nas CAIXA Cultural Rio de Janeiro e CAIXA Cultura Fortaleza, em 2014. Em 2015 realizou ainda a mostra Autorretratos – Documentários Autobiográficos junto à CAIXA Cultural Recife.